N. 19 – Belém/PA - Novembro/Dezembro - 2014

“Quando Dançam as Cores” e as Mulheres se Tornam Escritoras

Eunice Santos

Patrocinado pelo Instituto de Arte do Pará, o Prêmio IAP de Artes Literárias objetiva visibilizar as obras de autores/autoras paraenses, incentivando a publicação e a divulgação de diferentes gêneros literários. Neste sentido, para a edição 2013 participaram cerca de 70 obras, sendo 11 dessas indicadas ao prêmio por 16 especialistas em literatura.

Dentre essas produções selecionadas, inclui-se Quando Dançam as Cores, obra premiada na categoria contos – coincidentemente, intitulada Maria Lúcia Medeiros (contista paraense - mulher). O livro de estreia de Patrícia Rameiro reúne dezesseis pequenos contos, alguns escritos recentemente e outros na fase adolescente da escritora. Segundo a autora, as narrativas não são cronológicas e alguns textos apresentam nuance de prosa poética por serem originários de versos. Em fase de edição e com lançamento previsto para maio do ano em curso, na feira Pan-Amazônica do livro, a coletânea contém divagações, subjetividades, temas intimistas, reflexões sobre o cotidiano, o amor, a mudança, as travessias, os desencontros, a beleza dos indivíduos e das pequenas coisas.

Patrícia Rameiro, autora do livro e mestranda de Antropologia(PPGS/UFPA), foi a única mulher laureada dentre os onze concorrentes contemplados. Ao ser arguida sobre esse fato, ela argumentou que, apesar de as mulheres terem “grandes mecanismos de autossabotagem ao adentrar campos eminentemente masculinos”, ainda é extremamente preocupante a constatação da ausência de autoria feminina na literatura nacional, haja vista ser masculina 85% dessa produção nos últimos 15 anos.

Quanto ao próprio percurso literário, revela a contista que desde criança escrevia poesias para pequenos jornais, concursos e livros organizados pela escola (no ensino infantil ou fundamental). Após isso, conseguiu algumas publicações de minicontos e poemas em organizações de grupos literários locais ou regionais. Ao longo dessas experiências, tem se interessado pela literatura "pós-colonial", tanto obras de autores/as nacionais quanto internacionais, e por estudos sobre gênero, trabalho e sociabilidades.